PENSAMENTO

A igreja é a única organização que existe primariamente para benefício dos não-membros” (C. S. Lewis)

10/05/2008

A GLÓRIA DE DEUS

A glória de Deus

Osmar Ludovico

Um milagre para a festa não acabar antes da hora. O vinho, símbolo da alegria e da festa, terminara. Jesus faz o milagre de transformar a água em vinho, e assim a festa e a alegria continuam.

Festa e alegria que, muitas vezes, não temos em nossas vidas. Começamos bem e terminamos mal nossas iniciativas. Pode acontecer com o casamento. Acabam a paixão e a festa, restam a desconfiança, a preocupação, a argumentação e as justificativas.

No milagre da multiplicação do vinho, nas bodas de Caná, a Escritura diz que Jesus manifestou a sua glória. Com este, deu Jesus princípio a seus sinais, em Caná da Galiléia; manifestou a sua glória e seus discípulos creram nEle (Jo 2.11).

Glória, no hebraico, é kadosh, que quer dizer peso, dignidade, esplendor. No grego é doxa, que quer dizer reputação, uma palavra que era também usada secularmente.

No Antigo Testamento, a glória de Deus era percebida pelos homens no contexto de manifestações grandiosas e sobrenaturais, como, por exemplo, a abertura do Mar Vermelho, o fogo no Sinai, a visita dos anjos a Abraão e a escada de Jacó.

Como entender a manifestação da glória de Deus nas bodas de Caná? A glória de Deus misteriosamente escondida neste acontecimento trivial: uma festa de casamento? O esplendor divino, a irradiação da dignidade de Deus, o peso de sua reputação, a riqueza de sua luz que invade a história dos homens estava naquela festa.

Como é possível que a esplendorosa glória de Deus estivesse completamente presente no milagre generoso de prover mais vinho para que a festa não acabasse antes da hora? Este é o presente de Jesus Cristo para os pais dos noivos, para os noivos, para os convidados: uma superabundância de vinho para os muitos brindes e a alegria de todos.

Assim ora Jesus Cristo, na véspera de sua crucificação: “Pai é chegada a hora, glorifica a teu filho, para que o Filho glorifique a ti” (Jo 17.14).

A glória de Deus se manifestou de forma plena em Caná e no Calvário.

A glória de Deus, portanto, ouso afirmar, é que os homens sejam felizes, façam festa, se confraternizem e se alegrem. A glória de Deus é atenuar e reverter os efeitos da queda, do mal, do pecado, da enfermidade, da tristeza e da morte que afligem a humanidade.

A glória de Deus é a salvação e a alegria dos homens. Deus é aquele que se doa amorosamente para nos salvar e nos alegrar. Aquele que toma sobre si nossos pecados, nossas enfermidades e nossas tristezas. Ele vai até o fim no seu desejo de nos amar, amar cada um de nós.

É por isso que em Caná e no Calvário penetramos no mistério da glória de Deus. Sua glória se manifesta de forma plena, irrefutável, pois o Filho Jesus Cristo, o Deus encarnado, se alegra com os homens em suas festas, mas também assume sobre si a tragédia humana por amor da humanidade. Ele nos salva e enche nosso coração de paz e de alegria.

Só mesmo através do Espírito Santo podemos contemplar a glória de Deus na alegria de Caná e na humilhação do Calvário. São manifestações sublimes do amor de Deus, que expressam aquilo que Ele é no mais íntimo de sua natureza.

Esta doação sem limites de Deus é melhor compreendida em Caná e no Calvário do que no Mar Vermelho e no Sinai. Ou seja, percebemos com mais nitidez a glória de Deus no seu desejo de que os homens sejam salvos, sejam felizes.

A glória de Deus é seu amor irretribuível, imerecido, incondicional, que se manifesta quando Ele se doa inteiramente a nosso favor, quando Ele faz o milagre para a festa não acabar antes da hora, quando Ele morre na cruz para nos perdoar e nos salvar.

A glória de Deus consiste em amar a humanidade perdida. Na prontidão do Filho para perdoar e salvar, e penetrar no nosso coração através do Espírito Santo, e nos encher de paz e alegria.

Glória para homens significa fama, poder, riqueza. A glória de Deus é o oposto; significa esvaziamento, doação, o desejo do bem-estar do outro.

Manifestamos a glória de Deus quando nos abrimos ao milagre de Caná e ao sacrifício da cruz, e assim nos tornamos pessoas alegres, esperançosas, generosas, perdoadoras e amorosas.

1 comentário:

Pedro Aurélio disse...

ola mano td bm olha e para te disser que já trocai de Endereço do meu blog como te tinha dito aqui vai o endereço novo .
http://pegadasdejesus.blogspot.com/